11 de fev de 2012

A Lua é o espelho dos poetas e dos amantes. Mesmo que estejam longe, sempre poderão se ver como se contemplassem suas imagens na superfície calma de um lago brilhante. Aqui estou, desse lado do céu, a enxergar você aí, do outro lado, que me olha nos olhos, e assim nos vemos... Da minha janela, o horizonte é vasto e posso ver tudo o que meus olhos imaginarem: de cavalos trotando em campinas distantes a crianças trocando segredos, dentes-de-leão desprendendo-se com o vento e (por que não?) o seu olhar perdido no horizonte além da sua janela. Mas é somente quando olho dentro dos olhos da Lua que enxergo os olhos do ser que me contempla, profundamente. Dentro de nós, então, forma-se um rio que corre nos dois sentidos, carregando para um e para outro nossos melhores sentimentos. Olho para a Lua e sinto-me escorrer de encontro a essa força até desaguar-me por completo no silêncio da noite ancestral. Imersos, saberíamos dizer em qual oceano? Em que olhar desaguamos?







O Rio da Lua 


Lavo meu peito em fogo líquido

Escorro soberbo
arrastando cascalhos
removendo entulhos

Sei que estou virando um rio


O vento sopra do extremo oásis
onde ninfas dançam entre flores raras

A campina verdejante exibe pérolas de orvalho

O sol


Imagino-me uma espécie de antúrio selvagem
porque pareço invisível


Sigo veloz alargando a margem
acumulando musgos
no movimento eterno de percorrer o caminho


Do outro lado do céu
rasgando o tecido escuro
a água escorre carregando estrelas em sua queda

estupenda

infinita

lavando o fogo em vida líquida.


(Diogo Borges)